Cinco árvores ideais para plantar em calçadas



O plantio de espécies adequadas evita transtornos e garante sombra e beleza




Ruas bem arborizadas formam um corredor verde que contribuem para o microclima, trazem mais frescor, aumentam a umidade do ar, além de atraírem a presença de pássaros. Outro benefício é o fato de que as árvores consomem gás carbônico (CO2), o que colabora na purificação do ar. Para se ter uma ideia, somente uma árvore é capaz de absorver 180 quilos de CO2 por ano.

Se por um lado plantar árvores nas calçadas traz benefícios, na outra ponta da questão, os cuidados na escolha da espécie também merecem destaque. Pontos como a profundidade das raízes, firmeza dos galhos e a altura que as árvores atingem, são itens que devem ser avaliados a longo prazo, considerando possíveis rachaduras nos passeios, contato com a fiação urbana e resistência diante de chuvas mais pesadas.

Por isso, para evitar futuros problemas com sua escolha verde, a Revista ECOLÓGICO separou cinco árvores ideias para plantio urbano. Acompanhe:

Ipê-amarelo (Tabebuia serratifolia) – A espécie é indicada, principalmente, em casos em que haja fios, pois a altura delas não passa de baixo a médio porte. As raízes são profundas, o que evita a rachadura dos calçamentos, além de possuírem floração intensa. Já as outras cores de ipês devem ser evitadas nestes casos, pois possuem portes mais altos.



Foto: Lucas/CC Flickr

Pata-de-vaca (Bauhinia forticata) - Possui porte médio, que não atrapalha o tráfego de pessoas e nem atinge fios elétricos. As flores podem ser brancas ou rosadas. As raízes são profundas e não estouram as calçadas



Foto: Wikimedia

Quaresmeira (Tibouchina sellowiana) - Geralmente de pequeno porte, é uma árvore nativa, que possui floração roxa. Gera um bom sombreamento e ajuda a reduzir a poluição do local, retendo as partículas de impurezas nas folhas. As raízes são profundas, e os galhos, firmes.



Foto: Maurício Mercadante/CC Flickr

Pitangueira (Eugenia uniflora) - Possui porte de pequeno a médio, além da facilidade em relação ao enraizamento. Tem aroma agradável, além de oferecer um fruto comestível e apreciado em várias regiões do Brasil.



Foto: Szakerto/CC Flickr

Manacá-da-serra (Tibouchina mutabilis) - Excelente opção para o paisagismo urbano, pois não apresenta raízes agressivas, permitindo seu plantio em diversos espaços. O porte é baixo a médio, atingindo de 6 a 12 metros de altura.



Foto: Mauro Guanandi/CC Flickr

Legislação - A poda, corte, transplantio e plantio de árvores são regulamentados, por legislação municipal específica. Qualquer iniciativa que afete árvores de passeio, praças ou parques, exige autorização oficial. Na capital, o cidadão que cortar uma árvore sem permissão legal está sujeito a pagar multa entre R$ 2.778,19 e R$ 16.342,30, conforme o caso. Procedimentos para os interessados em plantar ou extrair estão no site da prefeitura.



Saiba mais - Para a Organização das Nações Unidas (ONU), é recomendável que uma cidade tenha pelo menos 12 metros quadrados de área verde por habitante. Por esse critério, a cidade brasileira campeã é Goiânia, com 94 metros quadrados de áreas verdes por habitante, superando Curitiba- considerada, há até pouco tempo, a cidade brasileira mais arborizada -, que tem 51 metros de área verde por habitante, segundo dados divulgados pela Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma) em 2007. Entre as cidades brasileiras com menos espaço verde está São Paulo, com quatros metros quadrados por habitante.

Comente com o Facebook: